Colite Ulcerativa - O que é? Sintomas e tratamentos... | Ai, Minha Barriga

Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar
VOCÊ SABE O QUE É...?

Colite Ulcerativa

Entenda o que é a colite ulcerativa, seus sinais e sintomas; causas; diagnóstico; tratamento e prognóstico.

A Colite Ulcerativa, também conhecida como Retocolite Ulcerativa (RCU), é uma inflamação na mucosa intestinal, mais especificamente do intestino grosso, no cólon. Muitas vezes é confundida com a síndrome do intestino irritável e com a doença de Crohn.

Afinal, o que é Colite Ulcerativa? E o que são as Doenças Inflamatórias Intestinais (DII’s)?

A colite ulcerativa pertence ao grupo de doenças conhecidas como doenças inflamatórias intestinais (DII’s). É importante entender que a colite ulcerativa não é a mesma coisa que a doença de Crohn, que também é uma doença inflamatória intestinal. Os sintomas das duas doenças são bastante parecidos, porém a diferença está na região do trato gastrointestinal que é afetada.

A colite ulcerativa é uma doença inflamatória que acomete o reto e o cólon (intestino grosso) do paciente.

Não se sabe ao certo o que causa a colite ulcerativa. Acredita-se que haja alguma interferência genética e sabe-se que os sintomas podem ser agravados com o tipo de alimentação ingerida.

Outro ponto importante é que pessoas que apresentam a colite ulcerativa costumam ter problemas no sistema imunológico, mas não se sabe se isso tem ligação direta com a doença ou não. No geral, a inflamação começa na área do reto e se estende por todo o intestino grosso.

Sinais e sintomas

Os sintomas da colite ulcerativa variam bastante e o paciente alterna entre períodos com sintomas intensos e períodos sem sintomas.

Cerca de metade de todos os pacientes com colite ulcerativa tem apenas sintomas leves.

Os principais sintomas da colite ulcerativa são:

  • Diarreia
  • Fezes com sangue
  • Necessidade urgente de evacuar
  • Cólicas e dores abdominais
  • Sensação de evacuação incompleta

Alguns outros sintomas também podem estar ligados à colite ulcerativa:

  • Febre
  • Perda de apetite
  • Perda de peso
  • Fadiga
  • Perda do ciclo menstrual

Pessoas que sofrem de colite ulcerativa muitas vezes experimentam perda de apetite e, como resultado, podem perder peso. A fadiga também é comum.

Entre as crianças mais jovens, a colite ulcerativa pode retardar o crescimento e desenvolvimento.

Os sintomas da colite ulcerativa tendem a ir e vir, com longos períodos entre as crises.

Durante os períodos de remissão, os paciente podem não apresentar sintomas e esses períodos podem se estender por meses ou até anos, mesmo que eventualmente apresentem alguns dos sintomas.

O curso imprevisível da colite ulcerativa pode tornar difícil para os médicos avaliarem se determinado tipo de tratamento está sendo eficaz ou não.

Os sintomas e as complicações da doença variam dependendo de seu extensão. É importante, portanto, compreender que tipo de colite ulcerativa o paciente apresenta.

A seguir há uma pequena descrição de cada um dos tipos de colite ulcerativa com um breve resumo dos principais sintomas e complicações:

Proctite Ulcerativa

Para cerca de 30% de todos os pacientes com colite ulcerativa a doença tem início como uma protite ulcerativa.

Nesta forma da doença, a inflamação do intestino é limitada apenas ao reto. Devido à sua forma limitada, a proctite ulcerativa tende a ser uma forma mais suave da colite ulcerativa. Também está associada a menos complicações.

Proctosigmoidite

Colite afetando o reto e o cólon sigmóide (segmento inferior do cólon localizado logo acima do reto).

Os sintomas incluem diarreia sanguinolenta, cólicas e uma sensação constante da necessidade de evacuar, conhecido como tenesmo.

Dor moderada no lado inferior esquerdo do abdômen pode ocorrer na doença ativa.

Colite Ulcerativa (total)

Afeta todo o cólon.

Os sintomas incluem diarreia, dor abdominal intensa, cólicas e grande perda de peso.

As complicações incluem hemorragia massiva e dilatação aguda do cólon (megacólon tóxico), o que pode conduzir a uma abertura na parede do intestino. As complicações graves podem exigir cirurgia.

Em alguns casos pode haver tenesmo e em 15% dos casos há aparecimento de fissuras anais e abscessos retais.

Como é feito o diagnóstico da Colite Ulcerativa?

De forma semelhante ao que acontece com as outras Doenças Inflamatórias Intestinais (DII’s), a colite ulcerativa não possui um exame específico de diagnóstico.

Quando um médico suspeita que seu paciente esteja com colite ulcerativa ele geralmente pede uma radiografia com bário (trânsito intestinal, onde o paciente ingere sulfato de bário em pó misturado com água que dentro do intestino possibilita a obtenção de imagens por raio X), uma retossigmoidoscopia e uma colonoscopia.

Outros exames complementares são a tomografia computadorizada, exames de sangue e a endoscopia alta.

Quem pode ser afetado?

A colite ulcerativa afeta igualmente ambos os sexos, mas há indícios que indicam que pode afetar ligeiramente mais homens que mulheres. O aparecimento dos sintomas podem se iniciar em qualquer idade, contudo é raro em crianças menores que 5 anos.

Na maioria dos casos, os sintomas surgem em indivíduos com idades entre 10 e 40 anos.

É mais comum nos povos de etnia branca, especialmente nos descendentes de judeus. É bem mais rara em indivíduos de etnia negra e asiáticos. Além disso, há predominância nas áreas urbanas.

Opções de tratamento para Colite Ulcerativa

Apesar de não haver cura para a colite ulcerativa, o tratamento é muito eficaz e visa diminuir os sintomas, prevenir complicações e melhorar a situação do cólon e, consequentemente, da qualidade de vida do paciente.

Em casos mais graves há a necessidade de internação e administração de corticoesteroides a fim de reduzir a inflamação e induzir a remissão.

Os medicamentos mais comuns utilizados para o tratamento da Colite Ulcerativa são a sulfasalazina, os corticoides, os imunossupressores e os biológicos (infliximabe e adalimumabe).

Sulfasalazina

É utilizado para o tratamento de diversas DII’s em casos onde os sintomas são leves.

Na maioria das vezes continua sendo prescrita por toda a vida, pois ajuda a impedir a recidividade das inflamações;

Corticoides

São administrados em casos onde a Colite Ulcerativa é grave. Este tipo de medicação é extremamente eficaz para diversos tipos de inflamações.

Imunossupressores

São considerados os remédios de uso oral mais eficazes na manutenção da remissão da Colite Ulcerativa e podem servir para tirar a dependência dos corticoides.

Biológicos

Surgiu como uma opção de tratamento para pacientes refratários à terapia convencional (corticosteroides, azatioprina), com o objetivo de induzir a remissão da doença e evitar procedimentos cirúrgicos.

Também é usado para manter a remissão no pós-operatório.

Cirurgia

Em casos mais graves o tratamento cirúrgico pode ser necessário.

Prognóstico

Mesmo sendo uma doença crônica, a colite ulcerativa não é considerada fatal.

Comumente, ela não possui impacto profundo na rotina dos doentes, sendo necessário somente em alguns casos a internação hospitalar. Alguns médicos restringem certos alimentos que podem agredir o intestino, no entanto, a dieta – na maioria dos casos – não é rígida.

Embora a mortalidade seja baixa, é necessário o tratamento constante para que as crises sejam controladas.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 4 =

15 Replies to “Colite Ulcerativa”

Suelaine

Sou Suelaine. Tenho ileo colite ulcerativa, tem alguém no blog com essa doença? A barriga fica inchada, muito gases, a minha está leve só tomo Mesalazina 1600 mg por dia.

Suelaine

Parabéns pelo blog, Thiago.Como você está depois da cirurgia?

Thiago Jose Streck Del Grande

Oi Suelaine, tudo bem?
Obrigado pela participação no blog! 🙂
Depois de 3 anos de cirurgia, estou muito bem! Estou levando uma vida perfeitamente normal e sem sintomas.

Suelaine

Que bom. Eu no momento estou bem, estou em remissão sem a diarréia. As restrições alimentares que é triste, e também não posso fazer exercícios, se fazer força minha barriga doi ai vem os sintomas , não posso apertar a barriga, também vem os sintomas .Meu sonho é que achem a cura para essa doença.

Suelaine

Eu tenho muitas restrições alimentares. Nada de conservantes amido de milho, leite e derivados . É triste. Ha 6 anos tenho a doença. Motivo estresse contínuo e forte, por causa da faculdade, tranquei a matrícula. Sou de Goiânia. Tchau para todos.

Diego

Olá pessoal, eu tenho Retocolite Ulcerativa, descobri faz 2 anos, neste tempo tomei todos os medicamentos que induz a diminuir os sintomas, nenhum deles funcionou, agora estou tomando o medicamento biológico ( Infliximab ), tomei a primeira aplicação, vi grandes melhoras, sem sangramento e pouca dores. O lado Ruim da Retocolite Ulcerativa é que temos muita gases a onde acaba nos induzindo a ir no banheiro e evacuando. Referente a Alimentação fiz um acompanhamento na Nutricionista, onde me faz varias restrições, praticamente vivia de “vento”, como estava evacuando muito sangue e com uma dieta restrita, acabei tendo uma anemia forte, tive que me interna e tomar bolsa de sangue. Minha medica disse uma coisa importante, somos o que comemos, mas nem sempre o problema que temos é do que comemos. Procuro evitar sempre Temperos fortes, molhos picantes, é procurar sempre comer em casa, pois o que comemos fora de casa não sabemos do que é feito e como foi feito. Estou indo para a minha Segunda Aplicação e estou confiante na remissão da doença, com fé em deus tudo é possível !.

Daniele Mattos

Também tive que internar receber bolsa de sangue… depois de 15 dias deu infecção … ainda estou em tratameto.

Cássio Borges

Parabéns Thiago pelo blog. Muita coisa bacana!! Descobri a pouco tempo a RCU e vamos a luta!!! Você teve que passar por uma cirurgia?

Thiago Jose Streck Del Grande

Olá Cássio! Obrigado!
Eu tive que me submeter à cirurgia para retirada parcial do intestino. Fiz em 2013 e desde então estou ótimo.
Saúde pra nós!

Cássio Borges

Obrigado pela atenção. Confesso que tenho meus temores e encontrar estes espaços para conversar é sempre bom. Saúde para nós!!

Leo

Boa noite a todos!

Descobri a 6 meses ser portador de RCU iniciei o tratamento com prednisona e mesalazina por 2 meses realizei vários exames e hoje estou tomando mesalazina de 800 3 vezes ao dia total 6 comprimidos e 1 comprimido de azatropina porém continuo com os sintomas alguém saberia me informar qual o tempo para essa doença entrar em remissão ? Por conta do custo elevado dá mesalazina e a dificuldade de se conseguir pelo estado pois estou a 3 meses tentando retirar essa medicação via farmácia de alto custo ,porém alegam que sempre está em falta estou utilizando o genérico dá Legrand também usei o dá neo química porém não era absorvido e acabava saindo nas fezes.

Thiago Jose Streck Del Grande

Oi Leo! Depende muito… você já conversou com seu médico sobre os sintomas não terem melhorado?

Luiza Fava

Thiago, gostaria de deixar meu relato como deixei no facebook aqui no blog também, acho que compartilhar experiências, ajudam as pessoas a se tranquilizarem e novamente muito obrigada pela criação desse blog e por todo conteúdo criado.

Como escrevi na página do Facebbok, há exatamente 1 mês, descobri que sou portadora de Retoculite Ulcerativa, o primeiro médico que avaliou meus exames foi extremamente um babaca e me deixou extremamente apavorada. Mas, graças a Deus eu fui em outro médico, que eu diria que é mais Anjo do que médico, e ele me tranquilizou muito! Sou muito grata a ele (Dr. Osvaldo Rodello Jr).

Como ele me explicou e eu concordo, a doença de Retoculite Ulcerativa tem um tripé com fatores principais:

1. Fatores genéticos
2. Alimentação a base de corantes, agrotóxicos, condimentos, pimenta, conservantes, entre outros.
3. Problemas emocionais como: stress, ansiedade, depressão, entre outros.

Então para melhorar, podemos nos atentar aos itens 2 e 3.

Eu estou tomando o famoso remédio Pentasa sache 2G do laboratório Ferming. Realmente é um custo muito alto, mas estou dando um jeito de bancar, porque já vi relatos que o genérico não funciona e nem sempre o governo disponibiliza (o que é um absurdo). Também li relatos sobre o remédio em si não adiantar ou ter muitas reações, e eu estava muito apreensiva de início. Mas, graças a Deus, o remédio junto a uma alimentação melhor e o cuidado com minha “mente”, eu melhorei muito mesmo gente. Digo que 80%. Não tive mais diarréia, não evacuo mais com sangue e não tenho mais cólicas durante o dia. Além de conseguir evacuar praticamente todos os dias, o que para mim é uma vitória já que meu intestino nunca funcionou direito. Entretanto, ainda sinto um pouco de cólica na hora de evacuar mas que depois passa. E espero muito continuar assim.

Sobre a alimentação, o Dr. Osvaldo não me restringiu muito, somente a todos os tipos de pimenta e condimentos (ketchup, mostarda, essas coisas).
E não sei onde eu li que a Cenoura é um ótimo alimento para quem tem DII, e realmente achei que faz efeito. Ainda estou na fase de descobrir o que me faz bem e o que não faz.

E sobre a “mente”, esse é um fator pelo menos para mim, um dos mais importantes. Eu sempre fui uma pessoa muito ansiosa, estressada e com problemas emocionais complicados e eu vejo como isso afeta o nosso corpo e a nossa saúde. Eu vejo que quando estou mais irritada ou preocupada com algo, isso reflete rapidamente aos sintomas. E aí vem o que eu acredito que para mim tem dado certo…Eu comecei a praticar meditação e vejo o quanto isso anda me fortalecendo e outra coisa independente de religião, meu conselho é tenham sim muita Fé. Aceitar a doença e não se deixar abalar por ela, acho que é um grande passo para o tratamento. Uma coisa que me marcou muito no Dr. Osvaldo foi quando ele virou para mim e disse? “Você acredita em Deus? Tenha fé! Já abri muita barriga e vi muitas coisas acontecerem” – Se ele que é médico e acredita, quem sou para não acreditar!

É isso gente, queria poder contar um pouquinho da minha estória e compartilhar isso com vocês. Fico à disposição para ajudar no que eu puder, mesmo ainda sendo iniciante no assunto.
Contem comigo e vamos acreditar em um propósito maior sim! No final, tudo dará certo!

Um grande abraço.

Luiza Fava

Luiza Fava

Thiago, gostaria de deixar meu relato como deixei no facebook aqui no blog também, acho que compartilhar experiências, ajudam as pessoas a se tranquilizarem e novamente muito obrigada pela criação desse blog e por todo conteúdo criado.

Como escrevi na página do Facebbok, há exatamente 1 mês, descobri que sou portadora de Retoculite Ulcerativa, o primeiro médico que avaliou meus exames foi extremamente um babaca e me deixou extremamente apavorada. Mas, graças a Deus eu fui em outro médico, que eu diria que é mais Anjo do que médico, e ele me tranquilizou muito! Sou muito grata a ele (Dr. Osvaldo Rodello Jr).

Como ele me explicou e eu concordo, a doença de Retoculite Ulcerativa tem um tripé com fatores principais:

1. Fatores genéticos
2. Alimentação a base de corantes, agrotóxicos, condimentos, pimenta, conservantes, entre outros.
3. Problemas emocionais como: stress, ansiedade, depressão, entre outros.

Então para melhorar, podemos nos atentar aos itens 2 e 3.

Eu estou tomando o famoso remédio Pentasa sache 2G do laboratório Ferring. Realmente é um custo muito alto, mas estou dando um jeito de bancar, porque já vi relatos que o genérico não funciona e nem sempre o governo disponibiliza (o que é um absurdo). Também li relatos sobre o remédio em si não adiantar ou ter muitas reações, e eu estava muito apreensiva de início. Mas, graças a Deus, o remédio junto a uma alimentação melhor e o cuidado com minha “mente”, eu melhorei muito mesmo gente. Digo que 80%. Não tive mais diarréia, não evacuo mais com sangue e não tenho mais cólicas durante o dia. Além de conseguir evacuar praticamente todos os dias, o que para mim é uma vitória já que meu intestino nunca funcionou direito. Entretanto, ainda sinto um pouco de cólica na hora de evacuar mas que depois passa. E espero muito continuar assim.

Sobre a alimentação, o Dr. Osvaldo não me restringiu muito, somente a todos os tipos de pimenta e condimentos (ketchup, mostarda, essas coisas).
E não sei onde eu li que a Cenoura é um ótimo alimento para quem tem DII, e realmente achei que faz efeito. Ainda estou na fase de descobrir o que me faz bem e o que não faz.

E sobre a “mente”, esse é um fator pelo menos para mim, um dos mais importantes. Eu sempre fui uma pessoa muito ansiosa, estressada e com problemas emocionais complicados e eu vejo como isso afeta o nosso corpo e a nossa saúde. Eu vejo que quando estou mais irritada ou preocupada com algo, isso reflete rapidamente aos sintomas. E aí vem o que eu acredito que para mim tem dado certo…Eu comecei a praticar meditação e vejo o quanto isso anda me fortalecendo e outra coisa independente de religião, meu conselho é tenham sim muita Fé. Aceitar a doença e não se deixar abalar por ela, acho que é um grande passo para o tratamento. Uma coisa que me marcou muito no Dr. Osvaldo foi quando ele virou para mim e disse? “Você acredita em Deus? Tenha fé! Já abri muita barriga e vi muitas coisas acontecerem” – Se ele que é médico e acredita, quem sou para não acreditar!

É isso gente, queria poder contar um pouquinho da minha estória e compartilhar isso com vocês. Fico à disposição para ajudar no que eu puder, mesmo ainda sendo iniciante no assunto.
Contem comigo e vamos acreditar em um propósito maior sim! No final, tudo dará certo!

Um grande abraço.

Luiza Fava

Thiago Jose Streck Del Grande

Luiza, muito obrigado pelo seu comentário, tanto aqui quanto no facebook. Com certeza ajudará a muitos leitores!