Tudo que você precisa saber sobre…. Doença de Crohn

Tempo de leitura: 14 minutos

Um pouco de história….

A doença de Crohn foi primeiramente descrita na medicina em 1932 pelo médico norte-americano Dr. Burrill B. Crohn, em parceria com seus dois colegas, Dr. Leon Ginzburg e Dr. Gordon D. Oppenheimer.
O Dr. Burrill Crohn descreveu vários casos de enterite regional, o que hoje é conhecido pelo nome de doença de Crohn.

Afinal, o que é doença de Crohn? E as tais doenças inflamatórias intestinais (DIIs)?

A doença de Crohn pertence ao grupo de doenças conhecidas como doenças inflamatórias intestinais. É importante entender que a doença de Crohn não é a mesma coisa que a colite ulcerativa (também conhecida como retocolite ulcerativa ou RCU), que também é uma doença inflamatória intestinal. Os sintomas das duas doenças são bastante parecidos, porém a diferença está na região do trato gastrointestinal que é afetada.
A doença de Crohn mais comumente afeta o íleo – porção terminal do intestino delgado – e o início do cólon (intestino grosso). Porém, pode afetar qualquer parte do trato gastrointestinal, da boca ao ânus. Enquanto isso, a colite ulcerativa se limita a afetar apenas o intestino grosso.
Além disso, a doença de Crohn também pode afetar a espessura completa da parede intestinal, enquanto a colite ulcerativa apenas afeta o interior o cólon. Por fim, na doença de Crohn, a inflamação pode “pular”, deixando áreas normais enquanto outras inflamam, diferentemente da colite ulcerativa.

Sinais e sintomas

Como dito acima, a doença de Crohn pode afetar qualquer parte do trato gastrointestinal. Sendo assim, os sintomas podem variar de paciente para paciente, mas alguns são mais comuns que outros. Os sintomas mais comuns da doenças de Crohn incluem:
  • Diarreia
  • Sangramento retal
  • Necessidade urgente de evacuar
  • Cólicas e dores abdominais
  • Sensação de evacuação incompleta
  • Prisão de ventre
Alguns outros sintomas também podem estar ligados à doença de Crohn:
  • Febre
  • Perda de apetite
  • Perda de peso
  • Fadiga
  • Perda do ciclo menstrual
Por ter sintomas muito comuns a várias outras enfermidades, as doenças inflamatórias intestinais são de difícil diagnóstico. Não é incomum um paciente tratar como síndrome do intestino irritável, gastroenterite ou até mesmo intoxicação alimentar. Apenas exames específicos são capazes de ajudar o médico a fechar o disgnóstico.
Os pacientes também frequentemente têm perda de apetite, o que culmina em perda de peso e, consequentemente, causa fadiga. As crianças que sofrem com a doença também podem ter problemas relacionados ao crescimento.
Em alguns casos a doença de Crohn pode causar outros problemas, como fissuras anais e hemorroidas, o que causa dor e sangramento. A inflamação também pode desenvolver fístulas, que são pequenos canais que se formam e ligam parte do intestino a outro. As fístulas também podem se ligar à pele, vagina e bexiga. Uma fístula é um problema grave pode requer atenção médica imediata e pode necessitar ser removida cirurgicamente em casos extremos.
Os sintomas variam conforme qual porção do trato gastrointestinal é afetada. As divisões da doença de Crohn são:
Ileocolite: A forma mais comum da doença de Crohn, a ileocolite afeta a porção final do intestino do intestino delgado (íleo) e o intestino grosso (cólon). Os sintomas incluem diarreia e dores na região direita e baixa do abdômen. Esse tipo também é normalmente acompanhado de severa perda de peso.
Ileíte: Esse tipo afeta apenas o íleo. Sintomas são os mesmo da ileocolite. Em casos severos, as complicações incluem fístulas ou abcessos no quadrante direito inferior do abdômen.
Doença de Crohn gastroduodenal: Esse tipo afeta o estômago e o início do intestino delgado (duodeno). Sintomas incluem perda de apetite, perda de peso, náuseas e vômitos.
Jejunoileíte: Esse tipo é caracterizado por áreas desiguais de inflamação na metade superior do intestino delgado (jejuno). Os sintomas incluem dor abdominal e cólicas, principalmente após as refeições, assim como diarreia. Em casos mais graves ou após períodos prolongados, podem vir a se formar fístulas.
Colite ganulomatosa: Esse tipo afeta apenas o cólon (intestino grosso). Os sintomas incluem principalmente diarreia, sangramento retas e doenças perianais, como abcessos, fístulas e hemorroidas. As lesões de pele e dores nas articulações são bem mais comuns nesta forma da doença de Crohn do que em outras.

Quais as causas da doença de Crohn? Quem é afetado?

Não há estatísticas no Brasil sobre a quantidade de pacientes das doenças inflamatórias intestinais. Nos EUA, estima-se que 700 mil pessoas são portadoras de doença de Crohn atualmente.
Homens e mulheres tem iguais chances de desenvolver a doença e pode ocorrer em qualquer idade. Entretanto, a doença de Crohn é mais comum em entre adolescentes e jovens adultos, entre as idades de 15 e 35 anos.
As causas da doença de Crohn não são muito claras. Sabe-se, porém, que a dieta e o stress podem agravar os sintomas, mas não causam a doença por si só. Pesquisas recentes sugerem hereditariedade, genética ou fatores ambientais.
O trato gastrointestinal normalmente contém bactérias inofensivas, muitas das quais ajudam na digestão. O sistema imunológico, normalmente, ataca e mata invasores estranhos, tais como bactérias, vírus, fungos e outros microorganismos. Sob circunstâncias normais, as bactérias inofensivas nos intestinos estão protegidas contra tais ataques. Porém, nas pessoas com doença inflamatória intestinal, essas bactérias são confundidas com invasores nocivos. Então, o sistema imunológico monta uma resposta à essa suposta invasão. As células imunológicas viajam para o intestino e produzem a inflamação, uma resposta normal. No entanto, a inflamação não melhora e se torna crônica, causando espessamento da parede intestinal e, eventualmente, trazendo os sintomas.
A doença de Crohn tende a ocorrer em pessoas da mesma família. Por isso, se você ou um de seus parentes próximos são portadores da doença, seus familiares possum aumento significativo do risco de desenvolver a doença de Crohn. Estudos têm demonstrado que de 5% a 20% dos indivíduos afetados têm um primeiro grau (pais, filhos ou irmãos) com uma das doenças inflamatórias intestinais. Esse risco é maior com a doença de Crohn do que com a colite ulcerativa. O risco é também substancialmente elevado quando ambos os pais têm uma DII. A doença é mais comum entre as pessoas da europa oriental, incluindo judeus de origem europeia. Nos últimos anos foi também relatado número crescente de casos entre as populações afro-descendentes.
Além disso, a doença de Crohn é mais comum em países desenvolvidos e em áreas urbanas.

Como é feito o diagnóstico da doença de Crohn?

Por ser caracterizada por uma grande variedade de sinais e sintomas, não há apenas um único teste que pode determinar o diagnóstico da doença de Crohn com total confiança. Os sintomas da doença de Crohn são muitas vezes semelhantes aos de outras condições, incluindo infecções bacterianas.
Para se fechar o diagnóstico da doença de Crohn os médicos precisam avaliar uma combinação de informações provenientes de diversos exames e começar a excluir as outras causas potenciais dos sintomas. Esse processo pode ser demorado. Então, se você ou um ente querido está tendo alguns dos sintomas comuns à doença de Crohn, procure o seu médico o mais rápido possível. Quanto mais rápido o diagnóstico é feito, mais rápido se dá início ao tratamento.

Os primeiros testes e exames

Em primeiro lugar, o seu médico irá realizar um exame físico padrão do seu corpo e entrevistá-lo para saber mais sobre o seu estado geral de saúde, dieta, história familiar e meio ambiente. Leve um registro de seus sintomas para facilitar a entrevista, também chamada de anamnese.
As etapas iniciai do processo de diagnóstico podem incluir exames laboratoriais de sangue e de fezes, bem como raios-X do trato gastrointestinal superior e inferior, incluindo o uso de bário como contraste em um exame conhecido como “trânsito intestinal”.

Endoscopia, colonoscopia e biópsia

Seu médico pode recomendar uma endoscopia, que é um exame em que se faz uso de instrumentos médicos para examinar visualmente o interior do seu sistema gastrointestinal com uma pequena câmera acoplada na extremidade um tubo flexível. Existem basicamente dois tipos de exames endoscópicos: a colonoscopia e a endoscopia digestiva alta.
A colonoscopia é um exame em que o médico insere um tubo flexível através do ânus e permite a visualização do intestino.
Da mesma forma, a endoscopia digestiva alta é um exame em que o médico introduz um tubo flexível através da boca para visualizar o esôfago, o estômago e o duodeno, a primeira parte do intestino delgado.
Além da visualização, os médicos, muito vezes, obtém um pequeno pedaço do tecido do cólon ou de outras áreas afetadas a fim de realizar uma biópia. Esses tecidos são avaliados por patologistas para determinar a presença ou não da doença.
Apesar de soar doloroso e invasivo, a tecnologia médica atual têm condições de efetuar ambos os procedimentos de forma indolor.

Exames de imagem

Seu médico pode ainda recomendar outros testes para visualizar pedaços do intestino que não são facilmente visualizados por colonoscopia ou endoscopia. Normalmente, esses testes incluem o uso de contraste oral e venoso e são utilizadas técnicas de tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RM).
Outro teste alternativo para visualização do interior do sistema gastrointestinal inclui o uso de uma microcâmera colocada em uma pílula que é capaz de fotografar o interior do paciente durante do trânsito intestinal normal. Essas imagens são transmitidas a um cinto receptor e a câmera é descartável e expelida através das fezes.

Opções de tratamentos para a doença de Crohn

Normalmente, os pacientes de doença de Crohn fazem uma combinação de tratamentos.
Com o tratamento feito de forma correta é perfeitamente possível levar uma vida absolutamente normal.
A situação de cada paciente é única e diferentes tratamentos são feitos em cada um dos diferentes casos. Por isso, converse com seu médico para avaliar quais as melhores opções para você.
O tratamentos incluem medicamentos por via oral ou injetável, alterações na dieta e, por vezes, procedimentos cirúrgicos para reparar ou remover partes afetadas do sistema gastrointestinal.

Medicamentos

A medicação no tratamento da doença de Crohn é realizada para suprimir a resposta inflamatória anormal do sistema imunológico que causa os sintomas. A diminuição da inflamação não só oferece alívios dos sintomas comuns como também permite que os tecidos intestinais se curem.
Além de controlar e suprimir os sintomas, a medicação pode também ser usada para diminuir a frequência de crises. Com o tratamento adequado, os períodos de remissão podem ser estendidos e as crises reduzidas.
Vários tipos de medicação são utilizadas para tratar a doença de Crohn. Os principais são os seguintes:
Amino-salicilatos (5-ASA): incluem medicamentos que contêm ácido 5-aminossalicílico (5-ASA). Exemplos são sulfasalazina, mesalazina, olsalazina e a balsalazida. Normalmente são utilizados no tratamento de episódios leves a moderados de doença de Crohn e são úteis na manutenção para prevenir a recidiva da doença. Eles funcionam melhor no cólon e não são particularmente eficazes quando a doença é limitada ao intestino delgado.
Corticosteróides: a prednisona e metilprednisolona estão disponíveis para uso por via oral ou por via retal. Os corticosteróides inespecificamente suprimem o sistema imunológico e são utilizados para tratar a os tipos de moderado à grave da doença de Crohn. Estes fármacos têm significativos efeitos colaterais, portanto não devem ser utilizados como medicação de manutenção. Caso você não consiga suspender o uso dos corticóides sem sofrer uma recaída dos sintomas, o seu médico pode precisar adicionar alguns outros medicamentos para ajudar a gerenciar a sua doença.
Imunossupressores: essa classe de medicamentos modula ou suprime a resposta do sistema imunológico do corpo para que ele não cause inflamação. São geralmente usados em pessoas para quem os aminosalicilatos e corticosteróides não foram eficazes ou foram apenas parcialmente eficazes. Eles também podem ser úteis para reduzir ou eliminar a necessidade de corticosteróides ou na manutenção da remissão em pessoas que não responderam a outros medicamentos indicados para esta finalidade. Imunossupressores podem levar vários meses para começarem a ter efeitos.
Antibióticos: podem ser usados quando infecções – como abscessos – ocorrem nos pacientes na doença de Crohn. Eles também podem ser úteis em fístulas ao redor do canal anal ou vaginal. Os antibióticos utilizados para tratar a infecções bacterianas no tracto gastrointestinal incluem o metronidazol, ampicilina, ciprofloxacino, entre outros.
Terapias biológicas: representam a última classe de terapia utilizada para as pessoas com doença de Crohn que não responderam bem à terapia convencional. São anticorpos crescidos em laboratório que impedem certas proteínas no corpo de causar inflamação.

Dieta e Nutrição

Embora a doença de Crohn não seja resultado de reações ruins a alimentos específicos, uma especial atenção à sua dieta pode ajudar a reduzir os sintomas, substituir os nutrientes perdidos e promover a melhora.
Para as pessoas diagnosticadas com a doença de Crohn é essencial manter uma boa nutrição, pois a doença muitas vezes reduz o apetite, aumentando as necessidades de energia do corpo. Além disso, os sintomas comuns da doença de Crohn – como a diarreia – pode reduzir a capacidade do corpo de absorver proteína, gordura, carboidratos, além da perda de água, vitaminas e minerais.

Cirurgia

Mesmo com a medicação adequada e dieta, cerca de 70% dos pacientes com doença de Crohn necessitarão de cirurgia em algum momento. Embora a cirurgia não cure a doença, ela pode melhorar os sintomas e, consequentemente, a qualidade de vida dos pacientes.
Diferentes tipos de procedimentos cirúrgicos podem ser realizados de acordo com o motivos, a gravidade e a localização da doença.
A cirurgia se torna necessária quando os medicamentos não conseguem mais controlar os sintomas ou se o paciente desenvolver fístulas, fissuras ou obstrução intestinal. A cirurgia frequentemente envolve a remoção do segmento doente do intestino, as duas extremidades do intestino saudável são então unidos em conjunto. Embora esses procedimentos façam  com que os sintomas desapareçam por muitos anos, a doença de Crohn freqüentemente volta mais tarde. Aproximadamente 30% dos pacientes que são submetidos à cirurgia sofrem recidiva dentro de três anos após a operação. Enquanto isso, cerca de 70% sofrerão reincidência no período de dez anos após a cirurgia.

Prognóstico

Mesmo sendo uma doença crônica, a Doença de Crohn não é considerada fatal. Comumente, ela não possui impacto profundo na rotina dos doentes, sendo necessário somente em alguns casos a internação hospitalar. Alguns médicos restringem certos alimentos que podem agredir o intestino, no entanto, a dieta – na maioria dos casos – não é rígida.

  • Anelise Mazurkevic

    Olá, tenho doença de crhon diagnosticada a 3 anos, passei por 4 cirurgias, a mais recente a 1 mes perfuração no jejuno, estou iniciando tratamento com azatioprina, já tomo mesalazina e corticoide, gostei das informações sobre a doença no site. Obrigada. Att Anelise

    • Thiago Jose Streck Del Grande

      Oi Anelise, obrigado! É muito bom saber que estou conseguindo ajudar cada dia mais pessoas. 🙂

    • maria de lourdes

      Olá,tenho Crohn diagnosticada a 2 anos,mas em tratamento a 4 anos.Não passei por nenhuma cirurgia.Iniciei o tratamento com mesalazina, tempos depois passei a usar adalimumabe(humira),que tomo até hoje…em setembro do ano passado após fazer uma colonoscopia foi diagnosticado algumas úlceras,o médico que me acompanha me receitou azatioprina,precisei parar com o medicamento porque tive uma pancreatite medicamentosa(terrível).A semana passada fiz novamente uma tomografia com contrastes oral e injetável,estou aguardando o resultado. Um abraço!Lourdes

  • Selma

    Olá, tenho crohn a 20 anos, desde o ano passado passei a fazer o uso dos Imunossupressores que até então não tinha conhecimento, e ouve grande melhora. Gostaria de agradecer as informações do Blog e dizer que através do Blog passei a fazer uso do óleo de coco o que tem sido muito bom no meu tratamento, depois que passei a usa-lo não estou mais sentindo os sintomas da doença. Fiquei alguns dias sem fazer uso do óleo e comecei a sentir alguns sintomas, quando voltei a tomar tive mais uma vez grande melhora. Agora não deixo de fazer uso.
    Você já viu essa reportagem na Folha de São Paulo sobre terapia celular para tratar doença de Crohn?

    • Thiago Jose Streck Del Grande

      Olá Selma! Fico muito contente por poder ajudar. Já li a notícia e espero em breve comentar aqui. Abraços e saúde!

  • Rosana

    ola tenho 28 anos descobri a Crohn eu estava com 23 anos vivi dias de horrores …dores,remedios,dieta,depressao,internaçoes eu xeguei a pensar q minha vida tinha acabado que eu nunca ia ter uma vida normal sair comer trabalhar ter filhos me casar,pq na epoca eu fikei mto debilitada ela veio e me derrubou entre crises q viam a cada 10 dias perfuraçao e fistulas estou conseguindo a vencer a Crohn fiz terapia 2 anos tratamento com antidepressivos e psikiatra (a psikiatra eu ainda vou nela de 3 em 3 meses rsrs so pra garantir) dia 6 agora de agosto vai fazer 1 ano q fiz a cirurgia retirei 20cm do intestino 2 fistula e um estreitamento q quase me matou de dor fikei de março de 2013 ate agosto com o estreitamento.. tomando mesalazina,azatioprina corticoides em abril 2013 comecei a tomar o remicade q é o biologico pra tentar reverter o estreitamento mas n adiantou,hj a 1 ano de cirurgia vivo completamente bem a doença esta em estado de remissao…nao tomo mesalazina o azatioprina vai fazer dois meses que nao tomo por motivo de que quero engravidar estou apenas com o remicade de a cada 60 dias,mas sigo a dieta pra nao correr mais perigo pq o que me derrubava era nao seguir a dieta me alimento bem tenho uma vida normal..apesar q ganhei 10 kilos de 1 ano pra ca mas axo q é normal pra quem nao comia nada e quando comia passava mal hj se alimenta bem..entao dexo esse post pra ajudar as pessoas que estao com o msm problema q eu passei no inicio q era a alimentaçao passei por tudo por causa da má alimentaçao,é dificil sim mas hj vejo q se eu tivesse obedecido meu medico eu n tinha sofrido tanto,vale a pena procurar ajudar pra se alimentar melhor ,e cuidado com o q vcs leiam na net pq nao é tudo q faz mal pra mim faz mal pra vcs entao va descobrindo as poucos o q te faz bem e o q te dexa com a barriga inxada com dores…vou dexar aki meu email pra quem quizer conversar sobre a doença e tirar duvidas [email protected]çs

  • Maurilio Souza

    ola tive esta doença fiz a cirurgia e fiquei uns dois anos tomando azatioprina e parei corro o risco da doença volta>>>>>>>>obrigado

    • Thiago Jose Streck Del Grande

      Maurilio,

      A doença de Crohn não tem cura, portanto é possível que ela volte, sim! Entretanto, as chances de uma reincidência diminuem se você seguir o tratamento corretamente e realizar exames periódicos.

  • Patricia

    Olá
    meu namorado tem Chron faz 6 anos, não vou entrar em detalhes porque é bem grande a história. Agora ele estava com um novo tratamento, só estava tomando Humira. Estou muito preocupada porque ele interrompeu o tratamento e não informou ao médico. Optou por uma vida saudável. O que vocês me aconselham?

    • Thiago Jose Streck Del Grande

      Patricia, tudo bem?
      Interromper o tratamento não é nem um pouco recomendável. Seu namorado pode manter uma vida saudável em conjunto com o o tratamento e jamais deve abandonar o tratamento com o médico. Se por algum motivo ele não gosta do médico com o qual está se tratando, talvez seja melhor procurar outro médico. Mas abandonar o tratamento definitivamente é uma péssima escolha.

  • Jessica

    Bom noite.
    Me chamo Jessica. No momento estou com suspeita de Crohn, meus sintomas é dor abdominal do lado esquerdo, sangramento e muco nas fezes, anemia ferropriva e artrite.
    Já fiz todo os exames como colonoscopia, endoscopia e cápsula endoscópica… tudo normal
    Gostaria de saber se mesmo esses exames dando normal, pode ser realmente crohn? Mesmo os exames dando normal?
    Já descartaram tudo, doença celíaca, alergia a lactose… já fiz muitos exames que deram coisas que não explica o meu caso… realmente mesmo dando normal eu posso ter crohn? Posso ter realmente ?