Como os probióticos protegem contra doenças inflamatórias intestinais - Ai, minha barriga!

Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar
Como os probióticos protegem contra doenças inflamatórias intestinais

Alimentação

Como os probióticos protegem contra doenças inflamatórias intestinais

Thiago Del Grande
Escrito por Thiago Del Grande em 29/08/2012
Junte-se a mais de 1800 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Algumas bactérias do ácido lático podem aliviar a inflamação e evitar as desordens intestinais. Os cientistas descodificaram o mecanismo bioquímico que está por trás do efeito protetor das bactérias. Em experiências com ratos, os pesquisadores conseguiram demonstrar que lactocepin – uma enzima produzida por certas bactérias produtoras de ácido lático – degrada seletivamente mediadores inflamatórios em tecido doente. Essa nova evidência pode conduzir à novas abordagens para o tratamento de doenças inflamatórias intestinais com o uso de probióticos.

O iogurte tem sido valorizado por séculos por seus efeitos de promoção da saúde. Evidências de estudos científicos recentes mostram que algumas bactérias realmente ter um efeito probiótico e podem, assim, prevenir a doença. Uma equipe de biólogos e cientistas que trabalham com o Prof. Dirk Haller do Technische Universitaet Muenchen (TUM) já descobriu os mecanismos por trás desse efeito protetor.

Em experiências com ratos, os cientistas observaram que a lactocepin pode interromper seletivamente processos inflamatórios. Conforme observação dos cientistas, a lactocepin degrada mensageiros do sistema imunológico – conhecidos como quimiocinas – no tecido doente. Como uma parte da resposta “normal” imune, as quimiocinas são necessárias para orientar células de defesa para a fonte da infecção. Em doenças crônicas do intestino (como a doença de Crohn e a colite ulcerativa), o mecanismo de defesa contra agentes infecciosos funciona mal. Quimiocinas, tais como “IP-10”, assim, contribuem para a lesão do tecido, devido à processos inflamatórios crônicos, impedindo que o tecido cicatrize.

A lactocepin é um elemento familiar na pesquisa de tecnologia de alimentos“, diz o professor Dirk Haller, que detém a presidência para biofuncionalidade de alimentos da TUM. “O que é surpreendente, no entanto, é o seu efeito biomédico, ou seja, a força com a qual a enzima ataca e degrada mediadores inflamatórios muito específicos“. O Prof. Haller está certo que, com base neste mecanismo, será possível desenvolver novas abordagens para a prevenção orientadas e tratamento de doenças crônicas do intestino, bem como doenças da pele: “O efeito anti-inflamatório da lactocepin está limitado a áreas específicas e até agora ele não tem efeitos colaterais conhecidos”.

O cientista avalia a possibilidade de realizar ensaios clínicos para testar a possível aplicação farmacêutica da enzima. Perguntas também permanecem sem resposta em relação à “produção” de lactocepin por bactérias do ácido lático. Algumas cepas bacterianas, tais como Lactobacillus paracasei, podem produzir lactocepins altamente potentes, contudo, a eficácia de outros microrganismos ainda não foi provada. O Prof. Dirk Haller, portanto, adverte contra falsas promessas: “Nem todos os produtos rotulados como “probiótico”, na verdade, ostentam este título“.

Fonte: Technische Universitaet Muenchen – How probiotic bacteria protect against inflammatory bowel diseases

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − um =

2 Replies to “Como os probióticos protegem contra doenças inflamatórias intestinais”

Regina

Muito bom, só fico chateada porque leio pesquisas, estudos e nada conclusivo, nada que possa ser comercializado a médio prazo. Sei que o processo é longo e demorado, mas isso é frustrante para portadores.

Junior

Thiago, tenho RCU, comeci um tratamento com Pentasa Sachê de 2 mg. Você sabe qual o melhor horário para tomar esse remédio? Obrigado