Colite Ulcerativa

Tempo de leitura: 6 minutos

A Colite Ulcerativa, também conhecida como Retocolite Ulcerativa (RCU), é uma inflamação na mucosa intestinal, mais especificamente do intestino grosso, no cólon. Muitas vezes é confundida com a síndrome do intestino irritável e com a doença de Crohn.

Afinal, o que é Colite Ulcerativa? E o que são as Doenças Inflamatórias Intestinais (DII’s)?

A colite ulcerativa pertence ao grupo de doenças conhecidas como doenças inflamatórias intestinais (DII’s). É importante entender que a colite ulcerativa não é a mesma coisa que a doença de Crohn, que também é uma doença inflamatória intestinal. Os sintomas das duas doenças são bastante parecidos, porém a diferença está na região do trato gastrointestinal que é afetada.

A colite ulcerativa é uma doença inflamatória que acomete o reto e o cólon (intestino grosso) do paciente.

Não se sabe ao certo o que causa a colite ulcerativa. Acredita-se que haja alguma interferência genética e sabe-se que os sintomas podem ser agravados com o tipo de alimentação ingerida.

Outro ponto importante é que pessoas que apresentam a colite ulcerativa costumam ter problemas no sistema imunológico, mas não se sabe se isso tem ligação direta com a doença ou não. No geral, a inflamação começa na área do reto e se estende por todo o intestino grosso.

Sinais e sintomas

Os sintomas da colite ulcerativa variam bastante e o paciente alterna entre períodos com sintomas intensos e períodos sem sintomas.

Cerca de metade de todos os pacientes com colite ulcerativa tem apenas sintomas leves.

Os principais sintomas da colite ulcerativa são:

  • Diarreia
  • Fezes com sangue
  • Necessidade urgente de evacuar
  • Cólicas e dores abdominais
  • Sensação de evacuação incompleta

Alguns outros sintomas também podem estar ligados à colite ulcerativa:

  • Febre
  • Perda de apetite
  • Perda de peso
  • Fadiga
  • Perda do ciclo menstrual

Pessoas que sofrem de colite ulcerativa muitas vezes experimentam perda de apetite e, como resultado, podem perder peso. A fadiga também é comum.

Entre as crianças mais jovens, a colite ulcerativa pode retardar o crescimento e desenvolvimento.

Os sintomas da colite ulcerativa tendem a ir e vir, com longos períodos entre as crises.

Durante os períodos de remissão, os paciente podem não apresentar sintomas e esses períodos podem se estender por meses ou até anos, mesmo que eventualmente apresentem alguns dos sintomas.

O curso imprevisível da colite ulcerativa pode tornar difícil para os médicos avaliarem se determinado tipo de tratamento está sendo eficaz ou não.

Os sintomas e as complicações da doença variam dependendo de seu extensão. É importante, portanto, compreender que tipo de colite ulcerativa o paciente apresenta.

A seguir há uma pequena descrição de cada um dos tipos de colite ulcerativa com um breve resumo dos principais sintomas e complicações:

Proctite Ulcerativa

Para cerca de 30% de todos os pacientes com colite ulcerativa a doença tem início como uma protite ulcerativa.

Nesta forma da doença, a inflamação do intestino é limitada apenas ao reto. Devido à sua forma limitada, a proctite ulcerativa tende a ser uma forma mais suave da colite ulcerativa. Também está associada a menos complicações.

Proctosigmoidite

Colite afetando o reto e o cólon sigmóide (segmento inferior do cólon localizado logo acima do reto).

Os sintomas incluem diarreia sanguinolenta, cólicas e uma sensação constante da necessidade de evacuar, conhecido como tenesmo.

Dor moderada no lado inferior esquerdo do abdômen pode ocorrer na doença ativa.

Colite Ulcerativa (total)

Afeta todo o cólon.

Os sintomas incluem diarreia, dor abdominal intensa, cólicas e grande perda de peso.

As complicações incluem hemorragia massiva e dilatação aguda do cólon (megacólon tóxico), o que pode conduzir a uma abertura na parede do intestino. As complicações graves podem exigir cirurgia.

Em alguns casos pode haver tenesmo e em 15% dos casos há aparecimento de fissuras anais e abscessos retais.

Como é feito o diagnóstico da Colite Ulcerativa?

De forma semelhante ao que acontece com as outras Doenças Inflamatórias Intestinais (DII’s), a colite ulcerativa não possui um exame específico de diagnóstico.

Quando um médico suspeita que seu paciente esteja com colite ulcerativa ele geralmente pede uma radiografia com bário (trânsito intestinal, onde o paciente ingere sulfato de bário em pó misturado com água que dentro do intestino possibilita a obtenção de imagens por raio X), uma retossigmoidoscopia e uma colonoscopia.

Outros exames complementares são a tomografia computadorizada, exames de sangue e a endoscopia alta.

Quem pode ser afetado?

A colite ulcerativa afeta igualmente ambos os sexos, mas há indícios que indicam que pode afetar ligeiramente mais homens que mulheres. O aparecimento dos sintomas podem se iniciar em qualquer idade, contudo é raro em crianças menores que 5 anos.

Na maioria dos casos, os sintomas surgem em indivíduos com idades entre 10 e 40 anos.

É mais comum nos povos de etnia branca, especialmente nos descendentes de judeus. É bem mais rara em indivíduos de etnia negra e asiáticos. Além disso, há predominância nas áreas urbanas.

Opções de tratamento para Colite Ulcerativa

Apesar de não haver cura para a colite ulcerativa, o tratamento é muito eficaz e visa diminuir os sintomas, prevenir complicações e melhorar a situação do cólon e, consequentemente, da qualidade de vida do paciente.

Em casos mais graves há a necessidade de internação e administração de corticoesteroides a fim de reduzir a inflamação e induzir a remissão.

Os medicamentos mais comuns utilizados para o tratamento da Colite Ulcerativa são a sulfasalazina, os corticoides, os imunossupressores e os biológicos (infliximabe e adalimumabe).

Sulfasalazina

É utilizado para o tratamento de diversas DII’s em casos onde os sintomas são leves.

Na maioria das vezes continua sendo prescrita por toda a vida, pois ajuda a impedir a recidividade das inflamações;

Corticoides

São administrados em casos onde a Colite Ulcerativa é grave. Este tipo de medicação é extremamente eficaz para diversos tipos de inflamações.

Imunossupressores

São considerados os remédios de uso oral mais eficazes na manutenção da remissão da Colite Ulcerativa e podem servir para tirar a dependência dos corticoides.

Biológicos

Surgiu como uma opção de tratamento para pacientes refratários à terapia convencional (corticosteroides, azatioprina), com o objetivo de induzir a remissão da doença e evitar procedimentos cirúrgicos.

Também é usado para manter a remissão no pós-operatório.

Cirurgia

Em casos mais graves o tratamento cirúrgico pode ser necessário.

Prognóstico

Mesmo sendo uma doença crônica, a colite ulcerativa não é considerada fatal.

Comumente, ela não possui impacto profundo na rotina dos doentes, sendo necessário somente em alguns casos a internação hospitalar. Alguns médicos restringem certos alimentos que podem agredir o intestino, no entanto, a dieta – na maioria dos casos – não é rígida.

Embora a mortalidade seja baixa, é necessário o tratamento constante para que as crises sejam controladas.