Médicos não acreditam em paciente e ela… morre!

Tempo de leitura: 1 minuto

Parece até piada. Eu já contei aqui blog que uma das médicas com quem eu me consultei alegou que o nome da minha doença é “frescura”. Apesar do absurdo, parece que é mais comum do que se imagina.

Michelle Ashby, 43 anos, morreu após complicações decorrentes da doença de Crohn depois de ir ao hospital mais de 50 vezes e os médicos insistirem que as dores dela eram fruto de sua imaginação.

A morte aconteceu em janeiro de 2015, mas foi noticiada esta semana no jornal britânico Daily Mail.

Na época do falecimento, médicos determinaram a morte como pneumonia causada pela doença de Crohn. No entanto, o exame post mortem revelou que a real causa foi falência múltipla dos órgão decorrente de uma perfuração intestinal.

Um inquérito foi aberto para investigar o caso e o marido de Michelle, David, alegou que os médicos do Medway Maritime Hospital afirmavam continuamente que sua esposa estava “imaginando as dores”. Uma enfermeira chegou a ameaçar a paciente pois estava incomodada com seus gritos de dor.

David conta ainda que nos últimos três anos de vida da esposa ela deu entrada e saída do hospital com frequência.

Apesar de ter passado dois anos entre idas e vindas ao Medway Maritime Hospital, a morte ocorreu no Hospital Vale Darent, pois a família perdeu a fé no cuidado que ela tinha (ou não tinha) no Medway.

Um porta-voz do hospital disse: “Notamos a conclusão do juiz de que Michelle Ashby morreu de causas naturais. Gostaríamos de expressar nossos sentimentos à família da Sra. Ashby para o que é claramente um momento difícil.”

Enfim…

Falta de respeito do médico com o paciente. Essa é a realidade de milhares de portadores de doenças crônicas no mundo inteiro. Agora, pense comigo: se em países de “primeiro mundo” os pacientes são tratados dessa forma, com desconfiança, imagine no Brasil. A situação é realmente muito pior.

Um abraço e saúde para todos nós!