Cientistas vinculam alimentos processados às doenças autoimunes

Tempo de leitura: 6 minutos

fast foodUma doença autoimune é uma condição que ocorre quando o  sistema imunológico ataca e destrói tecidos saudáveis do corpo por engano. Apesar de não haver um consenso, a teoria mais aceita atualmente enquadra as doenças inflamatórias intestinais – como a colite ulcerativa e a doença de Crohn – como doenças autoimunes.

Uma notícia postada há alguns dias no blog Join The Fight Against Inflammatory Bowel Disease me chamou a atenção e eu reproduzo abaixo:

A dieta moderna de alimentos processados, delivery e pratos de microondas pode ser responsável por um aumento acentuado nas doenças autoimunes como a esclerose múltipla, alopecia, asma e eczema.

Uma equipe de cientistas da Universidade de Yale nos EUA e da Universidade de Erlangen-Nuremberg, na Alemanha, dizem que as dietas de junk food podem ser parcialmente responsáveis. “Este estudo é o primeiro a indicar que o excesso de sal refinado e processado pode ser um dos fatores ambientais que impulsionam o aumento da incidência de doenças auto-imunes”, eles disseram.

O Canadian Medical Association Journal enviou uma equipe internacional de pesquisadores para comparar o conteúdo de sal de 2.124 itens de estabelecimentos de fast food como Burger King, Pizza Domino, KFC, McDonalds, Pizza Hut e Subway. Eles descobriram que o teor de sal médio variou entre empresas e entre os mesmos produtos vendidos em diferentes países.

Alimentos dos fast foods americanos são muitas vezes mais carregados de sal do que os de outros países. Enquanto o governo lidera campanhas de saúde pública e os esforços legislativos tem diminuído os níveis de sal refinado em muitos países, o governo dos EUA tem sido relutante em pressionar a questão. Isso deixa as empresas de fast food livres para adicionarem sal como loucos, diz Norm Campbell, MD, um dos autores do estudo e especialista em pressão arterial, da Universidade de Calgary.

Muitos alimentos pobres em gordura contam com sal – e muito sal – para realçar seu sabor. Um sachê de molho italiano do KFC (Marzetti Light Italian) pode ter apenas 15 calorias e 0,5 gramas de gordura, mas também tem 510 mg de sódio.

O pão é a fonte número 1 de consumo de sal refinado na dieta americana, de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças. Apenas uma baguete de 6 polegadas do Subway – apenas o pão, sem carne, sem queijos – tem 1.260 mg de sódio, tanto quanto 14 tiras de bacon.

Como sal refinado causa a doença autoimune

A equipe da Universidade de Yale estudou o papel das células T auxiliares no corpo. Estes ativam e “ajudam” outras células a combater patógenos perigosos, como bactérias ou vírus e infecções de batalha. Uma pesquisa anterior sugere que um subconjunto destas células – conhecidas como células Th17 – também desempenham um papel importante no desenvolvimento de doenças auto-imunes.

No último estudo, os cientistas descobriram, em laboratório, que a exposição dessas células a uma solução de sal de mesa as fez agir de forma mais “agressiva”. Eles descobriram que os ratos alimentados com uma dieta rica em sais refinados tiveram um aumento dramático no número de células Th17 em seus sistemas nervosos, que promoveu a inflamação. Eles também eram mais propensos a desenvolver uma forma grave de uma doença associada à esclerose múltipla em humanos.

Então, os cientistas realizaram um exame mais detalhado desses efeitos em um nível molecular. Os exames laboratoriais revelaram que a exposição de sal aumentou os níveis de citocinas liberadas por células Th17 10 vezes mais do que o habitual.

O co-autor do estudo, Linker Ralf, da Universidade de Erlangen-Nuremberg, disse: “Estes resultados são uma importante contribuição para o entendimento da esclerose múltipla e pode oferecer novos alvos para um melhor tratamento da doença, para que no momento não há nenhuma curar ‘.

Outro autor do estudo, o professor David Hafler, da Universidade de Yale, disse que a natureza não tinha a clara intenção de o sistema imunológico atacar o corpo do hospedeiro, de forma que ele esperava que um fator externo estava jogando uma parte. Ele disse: “Estes não são doenças de genes ruins por si só ou doenças causadas pelo ambiente, mas as doenças de uma interação ruim entre os genes e o ambiente. Hoje em dia, todas as dietas ocidentais possuem elevado teor de sal e que levou ao aumento da hipertensão e, talvez, também da doença autoimune ‘

O próximo plano da equipe é estudar o papel que as células Th17 tem em doenças autoimunes que afetam a pele. “Seria interessante descobrir se os pacientes com psoríase podem aliviar seus sintomas, reduzindo a ingestão de sal”, eles disseram. “No entanto, o desenvolvimento de doenças autoimunes é um processo muito complexo que depende de muitos fatores ambientais e genéticos.”

Atenha-se aos bons sais

O problemas são os sais processados e refinados. O sal é crítico para a saúde e é o mineral não metálico mais prontamente disponível no mundo. Nossos corpos não são projetados para o cloreto de sódio refinado e processado, uma vez que não tem nenhum valor nutricional. No entanto, quando um sal é preenchido com dezenas de minerais, como os cristais de sal cor de rosa das rochas do Himalaia ou a textura cinza do sal Celta, nossos corpos se beneficiam enormemente com sua incorporação na nossa dieta.

“Esses sais minerais são idênticos aos elementos de que nossos corpos foram construídos e foram originalmente encontrados no oceano primordial de onde originou a vida”, argumenta o Dr. Barbara Hendel, pesquisador e co-autora de Water & Salt, The Essence of Life. “Nós temos lágrimas salgadas e transpiração salgada. A composição química e mineral do nosso sangue e fluidos corporais são semelhantes às da água do mar. Desde o início da vida, como os bebês ainda não nascidos, que são encerradas em um saco de líquido salgado “.

Sais minerais, diz ela, são saudáveis, porque eles dão o seu corpo a variedade de íons minerais necessários para equilibrar suas funções, se manter saudável e curar. Estas propriedades curativas tem sido reconhecida na Europa central. Em Wieliczka, na Polónia, um hospital foi esculpido em uma montanha de sal. Asmáticos e pacientes com doença pulmonar e alergias achar que respirar o ar nas câmaras subterrâneas salinas ajudam a melhorar os sintomas em 90% dos casos.

A Dr. Hendel acredita que a deficiência de minerais, ao contrário do excesso de sal, pode ser responsável por problemas de saúde. É uma visão que é repetida por outros acadêmicos, como David McCarron, da Oregon Health Sciences University, nos EUA. Ele diz que o sal tem sido sempre parte da dieta humana, mas o que mudou foi o conteúdo mineral da nossa comida. Em vez de comer alimentos ricos em minerais, como nozes, frutas e legumes, as pessoas estão se empanturrando com alimentos processados ​​e bebidas gasosas.

Traduzido e adaptado de: Scientists Officially Link Processed Foods To Autoimmune Disease

 
  • Daniela

    Muito interessante esta matéria. De vez em quando penso sobre elementos da dieta que seriam desencadores destas doenças. Eu tenho Crohn mas não faço parte do time que cometeu abusos ou excessos alimentares, mas com a doença instalada, o cuidado precisa ser maior mesmo na ausência de crise. O sódio é fundamental, mas até que ponto o seu consumo e sua apresentação traz mais malefícios que benefícios? Tudo indica que menos é mais!. Evito usar temperos prontos tbm para evitar irritar meu intestino, tento usar sempre os naturais, acho que ajuda muito mais e é menos agressivo! O controle da doença ou prevenção poderá estar ao nosso alcance. Muito obrigada pela postagem!!

    • Inácio

      Tenho diagnóstico de Crohn em todo o tubo digestivo desde 2003 e por duas vezes estive às portas da morte. Hj, estou bem, tendo alguns problemas pontuais (diarreias, dores, inchaços, etc, mas nada de mais) Quando tive a minha primeira grande crise da doença, que me fez perder 28kg e tive duas cirurgias mal-sucedidas de fístula peri-anal, eu era vegetariano…. E antes de ser vegetariano, eu praticamente não comia “besteiras”, nem produtos processados….

      Hj estou bem, com peso normal, e não sou mais vegetariano, até por causa das fibras…. Acho que minha alimentação é razoavelmente boa, mas quase não como frutas, nem vegetais crus, porque simplesmente não dá….. Muito pelo contrário: é muito arroz branco, peito de frango, batata cozida e suplementos. Ou seja, totalmente distante do “estereótipo” da boa e “saudável” alimentação. Tomei tanta injeção de B-12 que eu achei que iria perder minha bunda rsrsrsrs. Só deixei de ter anemia depois de voltar a comer carne (vermelha, inclusive). Então, não sei…já li tanto sobre Doença de Cronh e RC que a ÚNICA certeza de que tenho é da existência de componentes genéticos, no caso do Cronh (tenho um primo com a doença e dois outros com suspeita). O resto me parece como “perfumaria” e pesquisas furadas. Daqui a pouco surge uma “nova e revolucionária” pesquisa que vai desmentir esta história de “produtos processados”…

      Abs a todos!

      João Inácio – Porto Alegre – RS.

      • Fabio

        João Inácio, tenho Crohn, devido complicações tive que fazer cirurgia fistulectomia, fez 1 ano e 2 meses, não fechou e estou com 2 fistulas, uma de cada lado. Faço uso azatoprina e infliximabe, sintomas controlados a 8 meses porém fistula não fecha, vc poderia me orientar? Obrigado 37 99925-8213