Esperança para pacientes de Crohn: transplantes de medula?

Tempo de leitura: 3 minutos

Esperança

Uma reportagem publicada pelo jornal americano The Seattle Times no dia 23 de julho de 2012 intitulado “New hope for Crohn’s patients: immune-system transplants?” (Nova esperança para paciente de Crohn: transplantes de sistema imunológico?) a repórter Carol M. Ostrom comenta sobre a obtenção da aprovação para os pesquisadores do Fred Hutchinson Cancer Research Center darem início a ensaios e testes para verificar se um transplante de medula óssea de um doador saudável pode curar pacientes com doença de Crohn grave.

O ensaio clínico se baseará em um efeito colateral de transplantes de medula óssea que os pesquisadores do Instituto Fred Hutchinson, observaram anos atrás: alguns pacientes com leucemia que receberam as células da medula de um doador também foram curados da doença de Crohn.

A ideia por trás do novo estudo é simples: “É trocar um velho sistema imunológico doente para um novo, o que esperamos – e nossa pesquisa iria apoiar – vai cuidar da doença de Crohn”, disse o Dr. George McDonald, o principal pesquisador do estudo.

“Eu estive esperando para fazer este protocolo por 20 anos, mas só recentemente nossos resultados chegaram ao ponto onde eu acho que há um bom equilíbrio entre riscos e benefícios”, disse o Dr. McDonald.

Em um estudo publicado em 2012 no The New England Journal of Medicine, o Dr. McDonald concluiu que pacientes que tiveram um transplante de medula óssea entre 2003 e 2007 eram muito mais propensos a viver a longo prazo do que aqueles que realizaram o procedimento na década de 1990.

Mesmo assim, um transplante de medula óssea não é isenta de riscos aos pacientes. Nesse estudo, o transplante só será oferecido para aqueles com a forma mais devastadora e intratável da doença, que se acredita ser causada por uma resposta imune anormal de bactérias intestinais que é enraizada em anormalidades genéticas.

A Crohn’s & Colitis Foundation of America estima que cerca de 700 000 americanos vivem com doença de Crohn, que pode causar dor, diarreia, febre e perda de peso. Para a maioria, medicamentos conseguem controlar a doença, mas uma pequena fração não encontra alívio. Essas são as pessoas que McDonald e sua equipe estão na esperança de encontrar para a fase 2 do experimento. Os pacientes devem ter entre 18 e 60 anos de idade, devem ter doença de Crohn grave e não devem responder aos tratamentos convencionais.

Em seguida, o estudo terá de encontrar medulas ósseas compatíveis a partir de familiares do paciente ou outros doadores.

Linda Huse, diretora da regional do Noroeste da Crohn’s & Colitis Foundation disse que a sua organização está animada com o ensaio clínico e “ainda mais animada com a chance de cura para os pacientes”.

A equipe de estudo também incluem a Universidade de Washington, a Seattle Children’s e a Benaroya Research Institute.

A pesquisa foi financiada pela Eli and Edythe Broad Foundation.

“This is one step toward offering this as the definitive therapy for more patients with this disease.” – Dr. George McDonald
“Este é um passo para oferecer esta como a terapia definitiva para mais pacientes com esta doença.”

fonte: New hope for Crohn’s patients: immune-system transplants?

 
  • Joice Priscila Blank

    Parabéns, tomara que de certo ! Sou portadora desta doença, e fico feliz em saber que estão buscando a cura !

    • Fernando Victória

      Você conhece se tem jeito de fazer a viagem pra exterior e encontrar esse médico?

      • Olá Fernando!

        De repente, entrando em contato com o Fred Hutchinson Cancer Research Center pode ser que você consiga marcar uma hora com o Dr. McDonald. 🙂
        Eu não sei se ele é uma pessoa de fácil acesso, mas pode ser que sim.